DERMATITE DE CONTATO ou ECZEMA DE CONTATO

É uma reação inflamatória na pele decorrente da exposição a um agente capaz de causar irritação ou alergia. Existem dois tipos de dermatite de contato: a irritativa e a alérgica.

O eczema ou dermatite por irritante primário ocorre pela ação direta da substância sobre a pele, que a danifica e desencadeia a reação. Não há mecanismo imunológico envolvido. Pode aparecer na primeira vez em que entramos em contato com o agente causador e é uma forma que ocorre em um grande número de pessoas. As lesões da pele geralmente são restritas ao local do contato. As substâncias irritantes, físicas ou químicas, produzem lesões nos ceratinócitos, células de Langerhans e outros componentes celulares da pele, provocando secreção e liberação de citocinas mediadoras da inflamação. Os irritantes primários, dependendo de propriedades como: capacidade de penetração na pele, peso molecular, pH (alcalino ou ácido), veículo, estado iônico, concentração e duração da exposição, entram em contato com a pele, produzindo eritema (vermelhidão), vesículas ou bolhas, acompanhados de sintomas como ardor e dor local. Essa reação é imediata ou pode demorar algum tempo para se manifestar, dependendo do potencial irritante da substância.

A dermatite alérgica de contato ou eczema alérgico de contato aparece após repetidas exposições a um produto ou substância. Ela depende de ações do sistema de defesa do organismo e por esse motivo pode demorar de meses a anos para ocorrer, após o contato inicial. Essa forma de dermatite de contato ocorre, em geral, pelo contato com produtos de uso diário e frequente como: perfumes, cremes hidratantes, esmaltes de unha, medicamentos de uso tópico, entre outros. As lesões da pele acometem o local de contato podendo atingir outros locais mais distantes. Esta dermatite é caracterizada por lesões de eczema após contato com substâncias específicas e é desencadeada pela penetração destas substâncias através da pele, mais precisamente pela camada córnea, por isso são de pequeno tamanho (baixo peso molecular – menos de 500 a 1.000 kDa) e lipossolúvel (solúvel em meio gorduroso). São os chamados haptenos, que são antígenos incompletos, pois necessitam ligar-se a proteínas para produzir uma resposta imunológica. A reação desencadeada é a de hipersensibilidade tardia tipo IV, da classificação de Gell e Coombs.

A prevalência da dermatite de contato é extremamente difícil de se estimar, varia de país para país, estima-se que 7% da população brasileira tem algum tipo de dermatite alérgica de contato.

As dermatites de contato podem ocorrer tanto no ambiente doméstico como nas atividades de lazer e de trabalho. Neste último é chamada de dermatite de contato ocupacional. As principais substâncias que podem causar alergia são: plantas, metais (níquel e outros metais presentes em bijuterias, relógios, adornos de roupas, calçados), cosméticos (perfume, shampoos, condicionadores, hidratantes, esmaltes de unhas, tinturas de cabelo), roupas e tecidos sintéticos, detergentes, medicamentos (antibióticos, anestésicos, antifúngicos), solventes, adesivos, cimentos, óleos, graxas e tintas.

A dermatite de contato pode ser desencadeada pela exposição à luz solar, chamada de dermatite fotoalérgica. As lesões são bem sugestivas pois acometem as zonas expostas ao sol, como a face, notando-se que regiões como a submentoniana (embaixo do queixo) e as pregas do rosto são poupadas. As substâncias não causam esse eczema sem a exposição da luz solar. Os raios UVA (ultravioleta A) são os que mais modificam a antigenicidade das moléculas, mas os raios UVB (ultravioleta B) também as modificam. O exemplo clássico é o uso da prometazina (anti-alérgico) tópica.

Os sintomas são variáveis e dependem da causa, ardor ou queimação até intensa coceira (prurido). As reações alérgicas podem ocorrer repentinamente ou meses após a exposição a uma substância, o que pode dificultar na descoberta do agente causador da alergia ou irritação. Muitas vezes provoca uma erupção vermelha no(s) local(is) em que a substância entrou em contato. A reação alérgica surge após 24 a 48 horas da exposição. A lesão pode ser inchaço (edema) e vermelha (eritema) com pequenas bolhas (vesículas), quente ou formar crostas espessas. A coceira (prurido) está presente em todas as fases e pode ser discreta ou muito intensa. As mãos são um local comum da dermatite de contato. Vários agentes podem ser os causadores, como produtos de limpeza, cosméticos (cremes e loções hidratantes) e frequentemente afetam as atividades profissionais, como cabeleireiros, auxiliares de limpeza, pedreiros e outras.

O diagnóstico baseia-se na história contada pelo paciente de exposição a um agente irritante ou alérgeno e no aspecto das lesões da pele. Quando existe a suspeita de se tratar de uma dermatite alérgica, está indicada a realização do teste de contato.

O teste de contato é um método no qual o médico aplica no dorso do paciente os agentes mais prováveis de terem causado a reação. O teste é aplicado e retirado após dois dias, mas o resultado final poderá ser definido somente após dois a três dias da retirada do mesmo, o que implica três visitas ao consultório médico.

O tratamento depende muito da extensão e da gravidade do quadro e as medidas poderão ser apenas locais ou incluir a utilização de medicação via oral ou injetável. Um dos primeiros passos inclui a higienização com água para remover qualquer vestígio do irritante ou alérgeno que possa ter permanecido na pele. Cremes ou pomadas de corticosteroides são utilizados para reduzir a inflamação da pele. É fundamental seguir atentamente as instruções ao usar esses cremes. O uso excessivo, mesmo dos mais fracos, pode deixar a pele dependente do produto. Adicionalmente ou para substituir os corticosteroides, o médico pode prescrever medicamentos chamados imunomoduladores tópicos, como o tacrolimus e pimecrolimus. Nos casos em que existe muita coceira e/ou nos casos mais graves, pode ser necessário o uso de antialérgicos orais, corticosteroides orais ou injetáveis. Emolientes e hidratantes ajudam a manter a pele úmida e também auxiliam na reparação e proteção da mesma.